Oito perguntas que você deve fazer na hora de comprar um carro usado

​​​​​​​Escolher um veículo usado ideal para comprar pode ser estressante. Mas se você tiver as informações certas na mão para examinar bem suas opções, vai voltar para casa dirigindo o modelo ideal sem arrependimentos.​

​​Para comprar um automóvel usado seguro e confiável é preciso ficar sempre de olho no resultado final. Encontrar um modelo com o estilo e os recursos que você quer sem gastar muito é um desafio, mas se abordar o vendedor com oito perguntas estratégicas, de forma direta, você vai se sentir mais confiante  na hora de analisar o veículo e  negociar o preço  - e pode sair da loja com um bom carro,  sem arrependimentos.​


​​1. Quantos quilômetros ele já rodou


A vida de um carro é medida em quilômetros e não em anos. A maioria dos revendedores vai falar sobre o ano em que o carro foi fabricado, mas você precisa prestar atenção na quilometragem. O ideal, se você quiser fugir totalmente de problemas, é focar sua busca nos veículos com cerca de 15.000 km rodados. Caso eles não caibam no seu orçamento, não tem problema: o melhor parâmetro para comprar um carro usado é entre cerca de 30.000 e 60.000 quilômetros. Mas é possível conseguir ofertas boas entre 140.000 e 160.000 quilômetros, desde que o preço seja bom e você esteja ciente das demandas de manutenção de veículo com alta quilometragem.​​

​Dica profissional: se um vendedor disser que foram "quilômetros de estrada", não dê muita bola para isso. É verdade que dirigir em rodovias gera menos desgaste nos carros do que o típico acelera-para do trânsito da cidade, mas quilômetros são quilômetros.


​​2. Posso levar o carro para o meu mecânico analisar?


A maioria das concessionárias de usados deixa o cliente tirar o carro do estacionamento por algumas horas para que um mecânico de confiança possa examiná-lo. Há também empresas como a Mecânica Delivery, de São Paulo, e a Automóvel Expresso, de Brasília, em que o profissional vai até sua casa ou concessionária. Considere comprar em outro lugar se o revendedor se recusar a permitir a saída do veículo ou oferecer que um dos seus mecânicos examine o carro com você.

A menos que você seja treinado em reparos de automóveis, levar o veículo a uma oficina confiável é a única maneira de detectar potenciais problemas, como peças de suspensão desgastadas ou um motor mal cuidado. E mesmo se você for um expert, é muito mais fácil ver a condição de um carro quando ele estiver em um elevador de oficina.​


3. Vocês vão resolver esse problema antes de eu comprar?​​


Se o seu mecânico encontrar um dano que não seja uma falha fatal, como freios desgastados ou amortecedores velhos, consulte se a concessionária faz o conserto como condição para a venda. Você não quer lidar com grandes problemas de motor ou transmissão, mas vários componentes em um carro podem ser substituídos ou reparados para deixá-lo "como novo". Esses acertos podem custar caro, mas a concessionária pode estar disposta a fazê-los para fechar negócio.​

Dica profissional: quando um vendedor de carros usados fizer uma promessa, peça que seja por escrito. Substituir freios desgastados antes da compra, colocar um novo som ou dar trocas de óleo gratuitas durante a vida útil do carro. Certifique-se de que tudo faça parte do seu contrato de compra. Mesmo que o vendedor realmente tenha a intenção de manter a promessa, o departamento de serviços pode não estar ciente dela. Se estiver no contrato, poderá cobrar os reparos sem questionamentos.​


4. O que a garantia cobre?


Um dos benefícios de comprar de uma concessionária de carros usados em vez de um vendedor particular é que várias delas oferecem garantias nos veículos usados. Mas não basta apenas olhar para o período acordado: você precisa saber exatamente o que está coberto. Inclui a cadeia cinemática (motor e transmissão)? Cobre peças e mão de obra, ou somente as peças?

Os reparos da cadeia cinemática são provavelmente os problemas mais caros que podem acontecer com um carro. Por isso, uma garantia que os cubra, às vezes conhecida como garantia de motor e câmbio, vale mais do que uma que não cobre. Além disso, a mão de obra pode representar 50% ou mais dos custos de reparo, dependendo do tipo do conserto. Um acordo que não inclui mão de obra pode deixar para você um custo alto em reparos.  Uma garantia menos completa não é necessariamente motivo para desistir da compra, mas é bom estar ciente do quão valiosa (ou não) ela é quando você for negociar o preço.​


​5. Este carro já foi danificado?​​


Qualquer concessionária de carros usados séria vai mostrar o relatório do veículo que despertou seu interesse. Esse relatório traz informações importantes sobre a história do carro, incluindo se ele já sofreu algum acidente grave.

Mas não pare por aí. Pergunte ao vendedor se o carro tem algum dano, já que ferrugem ou avarias menores podem não aparecer no relatório, mas vale a pena saber. Também questione se o carro está com a pintura original. Uma nova pintura pode significar que ele foi danificado, ou que o dono anterior tentou encobrir alguma coisa.​​


6. O carro vem com algum acessório instalado?​


Atualizações pós-venda geralmente aumentam o valor do veículo, então, isso pode influenciar o quanto você quer pagar por ele. Também afetam o quão adequado o carro vai ser para suas necessidades específicas. Um caminhão com reboque é ótimo se você planeja transportar um trailer com suprimentos, por exemplo. Já um DVD player no banco traseiro é perfeito se você faz longas viagens com seus filhos.

Mas tenha cuidado: alguns produtos instalados no momento de pós-venda podem causar problemas. Um motor que tenha sido ajustado para gerar mais potência, provavelmente trará aumento no consumo médio de combustível, e algumas atualizações podem tornar mais difícil para o seu veículo passar em inspeções estaduais.​​


7. Por que vocês estão vendendo?


Essa é uma pergunta importante para quando você for comprar um carro de um vendedor particular. Não há como garantir que ele será honesto na resposta, mas é uma boa maneira de fazer com que ele fale sobre sua experiência com o veículo. "Estou apenas procurando por algo com melhor quilometragem" ou "precisamos de um carro com mais espaço para nossos filhos" darão uma ideia sobre a adequação do veículo. O mesmo vale para "está com problemas para ligar em dias frios". Qualquer informação que você tenha sobre o carro é útil para sua tomada de decisão.​


8. Você tem a documentação?


Essa é outra pergunta que se aplica principalmente aos vendedores particulares. Qualquer vendedor respeitável tem os documentos limpos para os carros que estão vendendo, e comprar um carro sem documentação ou penhorado pode causar dores de cabeça no futuro. Uma penhora não é um desqualificador imediato, mas vai deixar a venda mais complicada - mesmo nas melhores circunstâncias. A documentação está perdida? Vá embora.​


Quando tiver as respostas para essas perguntas, você terá informações importantes para fazer a escolha – e compra – de um carro usado sem preocupações.​

​​