Planeje com antecedência os custos do seu carro e economize mais

​​​​​Comprar e manter um carro não é uma despesa única, e os gastos de aumentam ao longo do tempo. Veja como planejar os custos durante a vida útil do seu veículo.

​​A manutenção contínua e consertos complexos se tornam despesas cada vez maiores à medida que o carro envelhece. Uma família brasileira pode gastar cerca de R$ 14 mil em seu carro por ano. Para se preparar para esses reparos inevitáveis, selecionamos algumas dicas que vão ajudá-lo economizar o máximo possível com manutenção e a entender realmente para onde esse dinheiro vai.

É sempre melhor ser proativo em vez de reativo.​​

A manutenção preventiva é a chave para reduzir os custos de manutenção durante a vida útil de um carro. Pode parecer contra-intuitivo consertar ou substituir peças antes de ser realmente necessário, mas é muito melhor do que acabar com reparos inesperados. Motoristas que não fazem manutenção preventiva podem esperar por consertos de emergência em algum momento. Descubra o que você deve procurar em cada manutenção para manter o seu veículo funcionando bem.

Algumas peças são projetadas para desgastar: então fique de olho nelas.

Manter o controle das peças de desgaste natural é parte importante da manutenção preventiva. Elas são componentes do carro que foram projetados para se deteriorar ao longo do tempo de uso. Em outras palavras, fazer o seu trabalho é o que as consome. Essas peças devem ser substituídas regularmente e geralmente após um determinado período de tempo ou intervalo de quilometragem, apesar de que o uso demasiado pode fazer com que desgastem muito mais rápido. Os  preços, em média, para peças de desgaste são:

  • Filtros de ar do motor: R$ 30,00
  • Pastilhas de freio: R$ 100,00
  • Lâmpadas de farol: R$ 10,00

Muitas peças de desgaste precisam ser trocadas em intervalos específicos, com base em sua vida útil e em como você usa seu carro. Verifique o guia de manutenção no manual de proprietário para não ser pego de surpresa quando as peças estiverem chegando ao fim da sua vida útil. Peças de desgaste que costumam falhar inesperadamente, como lâmpadas de farol, têm custo baixo, mas você pode economizar ainda mais se fizer uma pesquisa ou comprar online.

Componentes com maior vida útil são diferentes de peças de desgaste e não precisam ser trocados em intervalos específicos, mas ainda podem quebrar ou se deteriorar de tempos e tempos. Exemplos de custos médios incluem:

  • Alternadores: R$ 700,00
  • Radiadores: R$ 300,00
  • Sistemas de suspensão: R$ 600,00
  • Catalisador: R$ 600,00

Normalmente, substituir esses componentes é mais caro do que as peças de desgaste, por outro lado demoram mais para exigir substituição e podem durar vários anos. Em muitos casos, cuidar das peças de desgaste (por exemplo, óleo do motor e filtros) vai prolongar diretamente a vida de componentes pesados (como o motor).

Manutenções de emergência são uma certeza – planeje-se para este temido dia.

Para diminuir o golpe de reparos não planejados, economize ao longo dos meses para cobrir essas emergências. Caso contrário, é tentador evitar ou adiar o reparo, o que pode tornar os problemas ainda maiores a longo prazo.

O quanto você deve economizar vai variar bastante de acordo com o seu carro. Primeiro, a marca e o modelo influenciam bastante. Normalmente, veículos de montadoras como Volkswagen, Ford, Nissan e Renault (dependendo da categoria do carro) são as mais baratas para manter, enquanto marcas premium como Cadillac, Mercedes-Benz e BMW são as mais caras para manter nos primeiros 120.000 quilômetros.

Por que falar de quilometragem? Porque é por ela que a média do custo das manutenções é medida. Nos primeiros dois anos, o dono de um carro médio pode esperar gastar cerca de R$ 3.000,00 a cada 30 mil quilômetros. Nos próximos anos, o custo médio de manutenção continua crescendo a cada 30.000 quilômetros rodados. Esse padrão é válido até a marca de 170.000 quilômetros, onde a média de custos aumenta ainda mais, mas em uma taxa um pouco menos significativa.

​Os custos citados podem parecer altos, mas a maioria dos especialistas dizem que ainda é mais barato manter um carro mais velho do que comprar um novo. Ter um carro novo por um ano custa mais ou menos o mesmo que manter um carro mais velho quitado por cinco anos, e algo simples como fazer as manutenções preventivas pode recompensar o proprietário com uma economia de cerca de oito anos (240.000 quilômetros) de serviços na oficina.