Oito maneiras de reduzir o risco de acidentes com jovens

​​​​​​​​​​​As estatísticas provam que os novos motoristas que seguem essas estratégias dirigem com mais segurança. Mas muitas vezes eles precisam do exemplo dos pais.​

Existem alguns dados assustadores envolvendo jovens na direção. Segundo a OMS, os acidentes de trânsito são a principal causa de morte de jovens no mundo. Uma pesquisa recente da Liberty Seguros​ mostrou ainda que jovens entre 18 e 25 anos são os motoristas responsáveis pela maior parte dos acidentes que acontecem durante a madrugada.​​

Como mudar esses dados? O que faz a diferença na prevenção de acidentes envolvendo jovens? Muitas vezes se trata dos pais seguirem essas estratégias comprovadas.​


1. Matricule seus filhos na autoescola​

    

É ótimo dar dicas de direção para seus filhos com base nos seus anos de experiência – e deixar que eles pratiquem dirigindo com você. Mas poucos pais têm a educação extensa e estruturada que as autoescolas oferecem.

Além de ensinar as regras básicas da estrada, os cursos oficiais também ensinam direção defensiva. Uma escola profissional pode educar sobre os riscos que correm e oferecer algumas aulas de direção em rodovias, por exemplo. Além disso, a autoescola pode ser mais eficaz, já que seu filho terá um instrutor profissional à disposição para identificar maus hábitos e corrigí-los.

Dica profissional: antes de escolher uma autoescola, verifique suas recomendações ou se há alguma reclamação no Detran.


2. Seja um bom exemplo

    

​Nos Estados Unidos, algumas autoescolas exigem que os pais estejam presentes na primeira aula também, para que possam aprender como dar um exemplo positivo aos seus filhos. Isso pode ser revelador para adultos, que acabam percebendo que têm maus hábitos de direção há anos enquanto seus filhos observam.​

Se esse é o seu caso, você não é o único. As estatísticas sobre os hábitos de direção de adultos são surpreendentes. Um estudo da Liberty Mutual de 2012 mostrou que 91% dos pais falam ao telefone enquanto dirigem, e 59% enviam mensagens de texto. Cerca de 20% dos pais admitiram que já dirigiram sob a influência de álcool, 49% já dirigiram sem cinto de segurança, e mais de 88% dirigem acima do limite de velocidade.​​

É importante levar a direção a sério e saber que nunca é tarde para melhorar seus hábitos. Se seu filho ver você levando a segurança a sério, ele provavelmente fará o mesmo.


3. Siga as leis de trânsito

 

Um dos principais objetivos da carteira provisória é também combater os riscos de acidentes com veículos envolvendo novos motoristas. Conforme o Código de Trânsito Brasileiro, bastam duas infrações médias ou uma grave ou gravíssima para o jovem perder a CNH provisória – e precisar passar por todo o processo de obtenção da habilitação novamente.


4. Converse sobre os riscos de beber e dirigir

    

Os novos motoristas precisam entender os perigos que ingerir bebidas alcoólicas e dirigir pode causar. Esse é um dos principais fatores responsáveis por acidentes de trânsito, principalmente entre jovens, sem contar que a prática no Brasil já é considerada um crime.​

Mas além da questão legal, eles precisam entender que isso pode ser fatal para eles e para outras pessoas na estrada. Deixe claras as regras e as consequências caso seu filho seja pego dirigindo embriagado, incluindo multas, prisão e a perda da carteira de motorista. E ao conversar sobre a pressão de amigos e colegas sobre beber, certifique-se de falar sobre como lidar com um amigo que bebeu e quer dirigir. Avise que ele sempre pode chamá-lo para uma carona em qualquer circunstância​.


5. Converse sobre dirigir com sono​



Beber e dirigir não é a única coisa sobre a qual você precisa conversar com seu filho. Dirigir com sono pode afetar o julgamento, a visão, a coordenação e o tempo de reação tanto quanto álcool e drogas. Um estudo da National Sleep Foundation, nos Estados Unidos, mostrou que pessoas (independente da idade) que dormiram duas ou menos horas nas últimas 24 horas não têm condições de dirigir, e quatro ou cinco horas de sono em 24 horas ainda deixam os motoristas "significativamente debilitados."

Seu filho corre o risco de dirigir com sono? É bem possível. Uma pesquisa da Liberty Mutual e da SADD (Students Against Destructive Decisions) mostrou que mais da metade (56%) dos jovens relataram pegar no sono ou quase pegar no sono enquanto dirigem. A National Sleep Foundation também diz que mais da metade dos acidentes causados por sono envolvem motoristas com idade inferior a 25.

De acordo com a National Sleep Foundation, os principais sinais que mostram que você precisa conversar com seu filho esse assunto são:

  • Ele está com dificuldade de concentração ou de manter os olhos abertos
  • Ele fica bocejando ou esfregando os olhos
  • Ele tem pensamentos errantes ou devaneios
  • Ele apresenta um tempo de reação mais lento
  • Ele fica saindo da pista, dirige muito perto dos outros carros, ou não vê sinais e saídas
  • Ele precisa aumentar o volume do rádio ou abrir as janelas para ficar concentrado
​Se seu filho apresentar algum desses sinais, ele deve sair da estrada e dormir um pouco, tomar um café (mas ter em mente que não pode contar com a cafeína por muito tempo), ou deixar outra pessoa dirigir.​​


6. Elimine as distrações​

    

​De acordo com estatísticas, a condução distraída é responsável por mais da metade dos acidentes envolvendo novos motoristas. Mesmo que seu filho diga que não dirige distraído, deduza que em algum momento isso vai acontecer. Uma pesquisa da Liberty Mutual mostrou que esse é o caso - 90% dos jovens entrevistados admitiram que falaram no celular enquanto dirigiam, e 78% disseram que já enviaram mensagens de texto.​

​Mas os celulares não são o único problema. Amigos no carro, música e olhar alguma coisa dentro do veículo estão entre os principais culpados, representando 37% dos acidentes causados por motoristas distraídos.​

A boa notícia é que existem tecnologias disponíveis para ajudar a eliminar algumas dessas distrações e mudar o comportamento do seu filho na direção. Vários apps podem ser baixados no celular para ajudar a prevenir que ele mande mensagens enquanto dirige. O Cellcontrol, por exemplo, permite que você coloque limites no que o seu filho pode ou não fazer no telefone enquanto estiver no carro em movimento. Você também pode customizar o app para "zona de passageiro", o que significa que ele só vai funcionar nas áreas de passageiros do carro. Assim que colocar o telefone na área do motorista, ele bloqueia as mensagens novamente.


7. Estabeleça regras firmes sobre direção



Em países em que a direção é permitida a partir dos 16 anos, algumas famílias fazem um contrato de direção para jovens, usado para documentar o que os pais esperam do filho quando ele está dirigindo. Fazer um contrato pode ser um pouco extremo, mas ter uma conversa franca e negociar regras é uma boa ideia.​

Deixe claro o que você espera dele (nada de celular, usar sempre o cinto de segurança, nunca ultrapassar o limite de velocidade, não beber e dirigir) e estabeleça as consequências por quebrar essas regras. Mas o acordo funciona de ambos os lados, por isso é importante que você dê um bom exemplo também.


​Conclusão: de acordo com a pesquisa da Liberty Mutual, 89% dos novos motoristas disseram que é importante que seus pais os vejam como responsáveis. Portanto, use essa conversa para deixar claro o que significa ser "responsável" quando seu filho está na direção.


Dica profissional: uma das táticas mais eficazes para incluir nos acordos desse tipo é tornar o seu filho o responsável por multas caso ele cometa alguma infração. A pesquisa da Liberty Mutual mostrou que, para os jovens, ter que pagar multas com o próprio dinheiro é uma das maiores influências no seu comportamento na direção.



Se tornar um motorista responsável requer muita prática, mas também requer apoio e instrução dos pais. Seguindo essas estratégias, você pode ter um papel importante para ajudar seu filho a ficar seguro na estrada.​


​​​​​​