O que quatro famílias aventureiras podem ensinar para todos nós

​Em uma estrada de terra no interior do país ou cruzando os grandes oceanos, as histórias de famílias aventureiras encantam quem as acompanha, mesmo à distância. O melhor é que, mesmo para quem não pode - ou nem imagina - “largar tudo” e cair no mundão, elas têm ótimas lições para ensinar. Confira, e conheça essas:

1. Em terra ou em alto mar, a educação dos filhos também passa pela família

Se o assunto são famílias viajantes, muita gente deve lembrar dos Schürmann, a primeira família brasileira a dar a volta ao mundo em um veleiro. Durante dez anos, entre as décadas de 80 e 90, enquanto velejavam pelos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico, os pais também viraram os professores, e o barco a sala de aula para os três filhos, ainda em idade escolar.

Afinal, além dos aprendizados in loco, especialmente sobre história e geografia nos lugares que visitaram, os pais não abriram mão da educação formal. Matriculados em uma escola por correspondência, os alunos recebiam materiais e provas pelo correio, endereçados aos portos por onde passavam. A mãe, pedagoga, foi responsável por acompanhar os filhos na maioria das matérias, enquanto o pai era responsável pelas as aulas de matemática. Em uma palestra, ele também ressaltou a importância da disciplina nesse processo: "Para quem escolhe uma opção de vida em família como nós escolhemos, disciplina e organização são cruciais. Para não perder o foco, tínhamos horário para tudo. As crianças acordavam cedo, e às 7h30 começavam as aulas".

A história dos Schürmann está no filme "Pequeno Segredo", dirigido por David, um dos filhos do casal.

2. Não duvide: viajar com as crianças vale muito a pena

Imagine ser um bebê que, antes de completar o primeiro ano de idade, já tenha conhecido 25 países. É a história do Calihan, caçula da família Gee, mais conhecida por 1,7 milhão de seguidores no Instagram como "The Bucket List Family", que nasceu quando os pais e os dois irmãos desbravavam o mundo há quase três anos. É normal famílias se questionarem se viajar com crianças vale a pena ou se elas vão se lembrar da viagem após algum tempo, e eles são a resposta positiva para isso.

A primeira dica desses viajantes é registrar as aventuras em fotos e vídeos. Envolver as crianças nessa atividade é um segredo para tornar os cliques, geralmente considerados entediantes e "posados", uma parte natural da viagem - na família Gee, a filha mais velha, Dorothy, de 5 anos, já começa a mostrar gosto por fotografar. Outra sugestão para fortalecer as memórias é desafiar as crianças com testes em forma de brincadeira, por exemplo: onde estávamos quando você fez o último aniversário? Em que país você aprendeu sobre Napoleão?

A família agora tem uma casa no Havaí, mas continua viajando - e registrando tudo pelas redes sociais: @thebucketlistfamily

3. Viajar é um grande aprendizado - sobre si mesmo, os outros e a natureza

Vivenciar, na prática, experiências com diferentes culturas e em diferentes cenários é uma grande oportunidade para ampliar a visão, conhecendo mais sobre o mundo e sobre si mesmo. A família surfista "Nalu pelo mundo", conhecida pelo programa de TV de mesmo nome, caiu na estrada pela primeira vez quando Nalu tinha pouco mais de um mês. Desde então, não parou mais, e, mais que histórias para contar, valoriza os aprendizados adquiridos pelo caminho.

A mãe percebe o crescimento pessoal de Nalu, que, aos 12 anos, é uma menina segura, independente e aventureira. Mais que isso: construiu uma visão do mundo e das pessoas baseada em valores positivos, além da consciência de respeito à natureza. E agora a família, assim como a vontade de desbravar lugares, vai aumentar. Quer acompanhá-los? @nalupelomundo

4. Por último: como será, na prática, a vida de uma família viajante?

A bordo de um motorhome, a família Nunes deixou São Roque (SP) para desbravar estradas, no projeto que nomearam "Mundo em Família". Desde 2017, eles já passaram por 17 estados do Brasil, e o objetivo da aventura, que deve totalizar sete anos, é conhecer 80 diferentes países, rodando mais de 100 mil quilômetros.

O veículo de três eixos e 42 m², fabricado em 1995, tem quarto, sala, cozinha e banheiro, além de climatização. Pequeno? Que nada, o espaço é mais que suficiente para se tornar o lar de pai, mãe e os três filhos pelos próximos anos. Para matar a curiosidade em relação à vida sobre rodas, além de compartilharem o dia a dia nas redes sociais, a família abre o motorhome para visitação sempre que chega à uma nova cidade.

Será que a sua cidade também está no roteiro dos Nunes? Acompanhe: @mundoemfamilia